Cinco fazendas históricas do interior de São Paulo que valem a visita

Em busca de tranquilidade e contato com a natureza, o turista paulistano tem sido atraído cada vez mais pelo turismo rural, em fazendas históricas de cidades do interior.

Matéria do Site viagemempauta.com.br

No Estado de São Paulo são muitas as opções, inclusive com fazendas históricas preservadas e protegidas pelo Condephaat (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico e Turístico) como patrimônio histórico estadual.

Confira cinco fazendas que proporcionam uma viagem ao passado, contando um pouco mais da história de São Paulo:

LEIA TAMBÉM: “Endereços históricos de São Paulo para visitar nas férias de julho”

1. Sitio do Pica Pau Amarelo
Chácara do Visconde, em Taubaté

foto: Divulgação
foto: Divulgação

Que tal conhecer o local que inspirou Monteiro Lobato a escrever as aventuras da turma do Sítio do Picapau Amarelo?

A chácara, imortalizada por Lobato em suas obras, contava com uma área de 20 alqueires. O local foi tombada pelo Condephaat em 1980, incluindo casa, capela, um cruzeiro e até uma velha jaqueira, em um terreno de 7 mil m².

Atualmente, funciona no local um museu em homenagem ao autor, com objetos pessoais de Lobato, além de uma vasta biblioteca com as primeiras edições dos livros do escritor e de outros escritores. O museu abriga ainda uma extensa área verde e espaços para apresentações teatrais com os personagens do Sítio. SAIBA MAIS

2. Fazenda Resgate
Bananal

Fazenda Resgate (foto: Elizeu Marcos Franco/Secretaria de Cultura)
Fazenda Resgate (foto: Elizeu Marcos Franco/Secretaria de Cultura)

Essa fazenda é do início do século 19 e atingiu sua fase áurea com Manoel de Aguiar Vallim, quem construiu a sua sede, em 1820, aproximadamente.

Tombado pelo Condephaat em 1982, o local foi uma das maiores produtoras de café do Vale do Paraíba e, embora não conte com hospedagem, permite visitação, mediante agendamento prévio.

A casa, um solar assobradado construído em taipa de pilão e pau-a-pique, com planta retangular e telhado em quatro águas, constitui um dos mais ricos e requintados exemplos de moradia rural do período cafeicultor. No seu interior, encontram-se pinturas de José Maria Villaronga. SAIBA  MAIS

3.  Fazenda Morro Azul
Iracemápolis/Limeira

Tombada em 1974, a Morro Azul é um elegante exemplo de fazenda do século 19, cujo destaque é seu projeto arquitetônico.

Em forma de palacete, essa construção de 1877 exibe azulejos portugueses e ingleses na fachada, um modelo raro no panorama da arquitetura rural paulista, tendo como característica principal a sua feição urbana dada pela presença de azulejos, cantaria, estuque e mármore, dispostos segundo padrões ecléticos.

Do lado de fora, estão belos riachos, uma floresta de jequitibás e as salas de banho, também conhecidas como Ruínas das Termas do Imperador – a fazenda hospedou o imperador D. Pedro II por duas vezes, em 1878 e 1886.

A Morro Azul é aberta para visitações agendadas e os passeios são acompanhados por guias ou pessoas ligadas à família proprietária.

SAIBA MAIS
Rodovia Limeira-Iracemápolis
Contato: 99607-1188 – e-mail:eventos. fazendamorroazul@hotmail.com

LEIA TAMBÉM: “Em tempos de crise, conheça atrações gratuitas de São Paulo”

4. Fazenda Vargem Grande
Areias

Fazenda Vargem Grande (foto: Victor Hugo Mori/Secretaria de Cultura)
Fazenda Vargem Grande (foto: Victor Hugo Mori/Secretaria de Cultura)

A Vargem Grande é uma antiga fazenda de café, cuja sede data de 1837, época do Ciclo do Café em São Paulo.

Os proprietários ficaram conhecidos como Barões do Café, principalmente no eixo entre as cidades de Areias, Bananal, São José do Barreiro, Silveiras e Queluz.

Segundo a Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, a fazenda se encontra em estudo de tombamento pelo Condephaat e, atualmente, abriga um hotel fazenda que oferece atividades como trilhas e cachoeira.

Todos os ambientes são repletos de detalhes e transformam a visita ao casarão de 1837 em uma viagem no tempo. SAIBA MAIS

5. Fazenda Lageado

Botucatu

A instalação dessa fazenda remonta à segunda metade do século 19, devido à grande expansão da economia cafeeira no Oeste Paulista.

É naquele contexto que a Fazenda Lageado se configurou como empresa cafeicultura para a grande exportação, cuja estrutura é composta por casa-grande, terreiros de secagem, lavagem de grãos, tulhas e casa de máquinas, bem como instalações que garantiam seu auto funcionamento.

A Fazenda foi adquirida pelo Departamento Nacional do Café e, a partir de 1934, convertida na Primeira Estação Experimental de Café do País.

SAIBA MAIS
Portaria Principal: Rua José Barbosa de Barros, nº 1780.
Portaria II: Rodovia Alcides Soares, Km 3

Fonte: http://viagemempauta.com.br/

Deixe uma resposta